Você conhece a Terapia Transpessoal? Gláucia Porfírio aborda este tema



Você sabe o que é é uma terapia transpessoal? Para falar sobre essa nova tendência, a REVISTA MIDIA entrevistou a terapeuta integrativa Gláucia Porfírio. Ela tem 33 anos e formou-se em publicidade, tornando-se depois especialista em marketing com ênfase em vendas pela Fundação Getúlio Vargas. Trabalhou por 10 anos nestas áreas e depois fez uma transição de carreira, atuando hoje como terapeuta integrativa transpessoal.


Desde 2009, faz cursos na área e foi voluntária em São Paulo nas áreas de Programação Neurolinguística - PNL, Theta Healing, Constelação Sistêmica Familiar e Access Consciousness. Ao todo, realizou mais de 30 treinamentos entre cursos e imersões que envolvem as áreas de autoconhecimento, ressignificação de traumas e inteligência emocional.


No início, Gláucia aplicava essas tecnologias no seu próprio desenvolvimento pessoal e, profissionalmente, as utilizava na áreas comercial e planejamento de marketing. Atualmente, aplica esses conhecimentos na área terapêutica-clínica em sessões de atendimento a quem busca ser mais feliz em diversos setores da vida.

Fale-nos sobre a técnica terapêutica que você utiliza?

É um método próprio. Trata-se de terapia integrativa, trabalho com a união de várias tecnologias de abordagem direta do inconsciente. Por meio de perguntas, crio um diálogo com o paciente e investigo a raiz de problemas inconscientes e por meio de comandos de voz e ressignificação de crenças limitantes, o paciente percebe e resolve, o que o estava "travando", na realização do seu objetivo. Também conto com uma equipe de parceiros em áreas correlatas: medicina e psicologia para conciliar os tratamentos e trazer soluções rápidas e definitivas. Posso dizer, que é uma terapia transpessoal ou seja, considero a pessoa em sua totalidade: mente, corpo e algo que vai além do físico. Apesar do atendimento não ter nenhum cunho religioso,considero informações que podem ter sido herdadas a nível de alma, genético, cultural, histórico e que necessitam de atualização pois, o sistema de informações inconscientes é como um computador que muitas vezes, “roda” com padrões antigos e isso gera angústias e doenças.



Como funciona a sessão de atendimento por chamada de vídeo?


Hoje atendo somente a distância através de plataformas como zoom, facetime e skype.

Os resultados são iguais e é mais confortável, econômico, discreto e acessível geograficamente para qualquer pessoa que decide resolver seus dilemas pessoais, traumas, auto sabotagens, auto punições e sem sair de casa. Eu já atendia por vídeo antes da quarentena, agora aumentou a procura. Na prática, o paciente fica com os olhos fechados durante 1 hora para se conectar mais com os sentimentos do que com os pensamentos e responde as perguntas que eu faço para investigar a origem dos processos que causaram o desequilíbrio. É um método próprio, que é a somatória da minha experiência pessoal juntamente com as técnicas para organização de emoções O objetivo é trazer clareza e discernimento para o paciente tomar as melhores decisões. Como tratamos assuntos íntimos, considero o processo de vídeo, uma grande contribuição até para os pacientes mais tímidos, ou resistentes a tratamentos terapêuticos.

Como teve conhecimento?

Em 2009, participei de uma palestra sobre vendas, na ACIG (Associação Comercial e Industrial Guaxupé), onde conheci e me apaixonei pela Programação Neurolinguistica (PNL). A partir disso, meu interesse por temas relacionados ao comportamentohumano, foi aumentando. Para me aprofundar, em 2010 iniciei minha formação em São Paulo, na SBPNL - (Sociedade Brasileira de PNL) e não parei mais de estudar e pesquisar sobre assuntos correspondentes. Um tempo depois de passar por muitas terapias diferentes, comecei a testar e buscar uma solução que me trouxesse resultados de alta performance pessoal. Foi quando conheci o Theta Healing no YouTube do Gustavo Barros e Giti Bond, que são pioneiros da técnica no Brasil, proprietários do instituto em que eu estudei e posteriormente trabalhei em São Paulo. Nos últimos 3 anos, me tornei assistente nos cursos que eles ministram e atuei com terapeuta presencial do Portal Healing Brasil, escola de formação, que é referência a nível nacional da técnica.

Quando e para que é indicada


Quando: se sentir deprimido, estressado ou ansioso, tiver conflitos internos ou de relacionamentos, não conseguir lidar com as próprias emoções, tiver transtornos alimentares, obsessões, fobias e/ou vícios, sentir que precisa de ajuda mesmo sem motivos aparentes, quando passar por perdas, lutos ou separações, estiver em uma fase de difícil decisão ou mudança, quiser harmonizar sua energia do pensar e do fazer e/ou quando precisar se reconectar consigo e reconhecer o próprio valor e poder pessoal.

E os resultados?

A investigação das informações inconscientes é feita a partir da origem do problema. Ou seja, o momento em que ele foi gerado e é trazida a consciência sobre o aprendizado e ganhos secundários mantenedores da situação. O atendimento é feito sem apego ao problema, o foco é na busca das possibilidades de solução que antes, haviam sido ignoradas. Quando o paciente percebe o aprendizado e tem consciência sobre o que é real e o que são jogos que a mente faz, o problema se resolve, e um novo sentimento sobre a mesma situação se faz presente. Então é possível a pessoa seguir a vida sem investir tanta energia e tempo, tentando desvendar a própria angústia (o que poderia demorar anos, se fizesse sem ajuda).

Fale-nos sobre memórias e sensações.

Muitas vezes as sensações que temos relacionadas a um fato, podem estar sobrecarregadas de emoções negativas. Por exemplo: uma pessoa que presencia algo desagradável pode registrar aquilo, como se fosse com ela, sem que tenha realmente sido assim. Com isso, a pessoa passa a carregar sofrimento e dores inconscientes desnecessárias por querer salvar o outro. Durante a sessão é possível trazer uma nova referência de sentimentos, de uma forma mais proporcional e a partir daí, dar um novo significado para o que antes, era um trauma. Então, a memória da mesma situação, pode ser percebida de uma maneira diferente com mais gratidão, confiança na vida e uma sensação de mais leveza ao relembrar o fato passado.

Qual a diferença de crenças limitantes e padrões de comportamentos repetitivos?

Crenças limitantes podem se formar por exemplo, através de ditados populares “inocentes” ou, frases que uma pessoa ouve, repetidamente desde a infância, do tipo: é preciso comer muito para ficar forte. Talvez ela não tenha acreditado no que foi dito. Mas, uma parcela disso pode ter se impregnado em seu inconsciente, e provavelmente a impedirá de sentir a sensação de saciedade se alimentando com a quantidade ideal para ela, por exemplo. Essa crença desatualizada e fora do contexto em que foi criada, pode ser a base de um apetite exagerado, caso o sistema da pessoa, tenha registrado que só assim ela terá força suficiente para sobreviver. Então, o sistema de informações providencia para ela o apetite, com a intenção de “salvar-seda fraqueza ou de doenças”. Padrões de comportamento, padrões de comportamento contém um conjunto de crenças limitantes. Por exemplo, uma família de descendentes de italianos: onde os membros costumam falar alto, para se sentirem pertencentes, os descendentes podem manter esse padrão sem saber o porquê. Se em algum momento isso gerar problemas, a pessoa pode decidir lançar consciência através da terapia, sobre os ganhos secundários que ela obtém com esse comportamento, por exemplo: ela pode sentir que quem fala alto sabe mais, e por isso continua inconscientemente mantendo esse hábito. Mas, em certos momentos pode ser mal interpretada. Então, na terapia ela pode identificar isso, e escolher perpetuar apenas hábitos e comportamentos que sejam meritosos para ela mesma e descontinuar o padrão herdado, manter a sabedoria e se sentir pertencente sem precisar falar alto.

Para qual perfil de clientes é indicada?

Pessoas que querem encontrar soluções para os desconfortos e questionamentos íntimos, que sejam corajosas e estejam dispostas a mergulhar no processo terapêutico para resolver seus problemas, angústias e evoluir como ser humano de forma mais rápida.

Enfim, a terapia integrativa transpessoal é o resultado da somatória de novas tecnologias comportamentais aplicadas na mesma sessão de atendimento, que visa a aceleração do desenvolvimento pessoal em qualquer área da vida. O Theta Healing foi a integração de todos os métodos que eu já tinha buscado e a comunicação me garantiu, como terapeuta, a flexibilidade para assim entender os "modelos de mundo" e a diversidade do comportamento humano. Acredito que estamos em um processo de revolução de consciência, (onde a formação tradicional se encontra com as formações complementares) e esse trabalho é desenvolvido para proporcionar transformações rápidas e significativas com resultados permanentes.


CONTATO PARA ATENDIMENTO


Gláucia Porfírio

Telefone: (011) 94192-3008

Instagram: @glaucia_porfirio

e-mail: glauciaporfirio@gmail.com

Receba notícias do Portal MÍDIA no WhatsApp!

Para fazer parte do canal CLIQUE AQUI

©2020 por Portal Mídia Brasil ®

Av. Conde Ribeiro do Valle, 255  - 2º Andar - Sala 8

E-mail: revistamidia@revistamidia.com.br

Tel. (35) 3551-2040 - Guaxupé  MG