top of page
consórcio 980x250.jpg

Por onde você anda, Elizabeth Hautz?



Sou Elizabeth Aparecida Hautz, 48 anos, mãe de dois meninos maravilhosos (João Paulo e Gustavo), filha dos saudosos José Carlos Hautz (Seu Nei) e de Ivone Maria de Souza Hautz (dona Ivone). Como muito dos guaxupeanos, sou neta de imigrantes que chegaram na região na virada do século XIX. Os mais antigos devem se lembrar do meu avô alemão, Henrique Hautz, sapateiro habilidoso e músico da banda Ítalo-brasileira em Guaxupé ou de meu bisavô italiano, Giuseppe Buggiato, cujo sobrenome acabou por ser popularmente associado à “rua dos Bujatos”.


Continua após a publicidade


Minha infância e adolescência em Guaxupé foram bem tranquilas. Era um tempo em que não havia internet, todos se conheciam, brincávamos na rua, íamos ao catecismo aos domingos... Não tínhamos mais o antigo cinema, assim, as opções de diversão juvenil eram limitadas nesse sentido e quando me lembro dessa época, inevitavelmente me lembro dos clássicos e mil vezes repetidos filmes da sessão da tarde na TV, que serviriam de assunto para o resto da semana quando as meninas do curso de magistério se reuniam na casa dos meus pais para estudarmos (lembram-se Sueli Freitas, Selma, Daniela, Joana, Siomara, Lúcia, Cida(s)!


Saí de Guaxupé em 1995 para cursar a Faculdade de Administração e Economia da Universidade de São Paulo. Numa época em que não havia FIES e o número de universidades públicas era reduzido, entrar em uma Universidade Pública, vindo da classe trabalhadora e tendo cursado sempre escolas públicas em Guaxupé, foi minha maior realização. Tive a sorte de ter estudado com ótimos professores, tanto no fundamental quanto no ensino médio: professor Ailton, professora Neusa Lopes, professora Verinha, professor Marcos Tesidio, professora Maria Inês, Dona Odete Haddad, Neusa Camilo e tantos outros que eu poderia enumerar aqui! Mas, com certeza, não poderia deixar de citar aquela que me alfabetizou, na Escola Estadual Dr Carlos de Souza Ribeiro, Dona Azelia Lopes Correia (que infelizmente deixou esse mundo muito cedo). Também cursei o técnico em Magistério , no antigo “Ginásio “, tendo aulas com as professoras Áurea Giunti (que sempre me incentivou muito em meus estudos), Dona Léa, Cida Além...

Como eu gostava tanto de Exatas como de Humanas e dava aulas particulares (a Meíta foi uma das divulgadoras do meu trabalho), senti que deveria escolher uma área que fosse bastante interdisciplinar . O interesse pela Administração e Economia surgiu após conversas de aconselhamento que tive com a Educadora Zenita Gunther, graças à intermediação da Professora de História, Maria Angelica.



Em 1995, fui aprovada na USP e UNICAMP. Optei pela USP. Não foi fácil enfrentar São Paulo sozinha, mas Deus sempre me ajudou muito. Já no primeiro semestre da graduação os professores me convidaram para um estágio na FIA/USP e dois anos depois fui estudar no exterior como bolsista. Desde então, tomei gosto e conheci e estudei em diferentes países: Portugal, Espanha, Alemanha, Argentina, Áustria. Acabei cursando outras faculdades também, além de Mestrado e Doutorado.


Passei por vários concursos e cargos públicos. Atualmente, sou executiva na Eletrobras, professora na UERJ e tradutora nas horas vagas. Passei muitos perrengues durante todo trajeto da minha carreira, acredito que como todos que não nasceram em berço de ouro. No fim deu tudo certo. Em um dos meus últimos artigos, recentemente publicado na Revista da Academia Brasileira de Filologia, homenageio nossa herança guaxupeana caipira da qual me orgulho muito.


Entre minhas maiores realizações acredito que posso citar especialmente o fato de ter proporcionado orgulho aos meus pais e ter lhes garantido uma velhice sem preocupações materiais.


Também atuo como professora voluntária em cursinhos preparatórios gratuitos voltados para estudantes carentes. Um dos meus sonhos será quando me aposentar, dedicar-me a um projeto semelhante para a população da minha cidade natal e também oferecer uma biblioteca comunitária onde disponibilizarei os milhares de volumes de livros que acumulei por todos esses anos.


Recado para os leitores da Mídia: Não importa sua origem, todos somos em parte senhores do nosso destino. Ame muito seus pais, seus filhos, suas origens e os amigos de longa data. A vida passa muito rápido. Carpe Diem.

wtzp.png

Receba notícias do Portal MÍDIA no WhatsApp!

Para fazer parte do canal CLIQUE AQUI

bottom of page