top of page
consórcio 980x250.jpg

Granizo e geadas ameaçam produção de café

No Dia Internacional do Café, comemorado no dia 14 de abril, o alerta parte do agrônomo Delane Sérgio Mazzochi, representante técnico da Rovensa Next Brasil no estado de Minas Gerais, onde fica a maior produção do país

Embora possua alto poder destrutivo, não é só a ferrugem (Hemileia vastatrix), doença, hoje, presente em todo o mundo, que tira o sono dos produtores de café. Nos últimos anos, o maior produtor de arábica do Brasil, o estado de Minas Gerais, por exemplo, tem sofrido com a ocorrência de chuva de granizo e geadas.“A cultura do café está vindo de uma sucessão de chuvas de granizo e geadas, o que levou à renovação de parte do parque cafeeiro e fez com que alguns produtores fizessem o replantio ou optassem pela diversificação com outros grãos”, informa Delane Sérgio Mazzochi, representante técnico da Rovensa Next Brasil em Minas Gerais.No ano passado, o Instituto Nacional de Meteorologia emitiu alerta de granizo em mais de 500 cidades da federação. Além disso, os termômetros da região sul, um dos polos produtores do estado, registraram temperaturas abaixo de 0º C.Manejo curativoO primeiro passo é aguardar para avaliar se a cultura consegue se recuperar. No caso de danos superficiais, a poda acelera o processo. “É muito importante fazer a assepsia e sempre manter a nutrição em dia, especialmente zinco, boro, cobre e manganês, para que fiquem mais tolerantes ao estresse. Manejo que também deve ser realizado após as geadas e granizo”, explica o especialista.Uma planta bem nutrida apresenta ramos longos, vigorosos, brilhantes e com boa arquitetura. Para tanto, deve ser submetida a três pulverizações (nas regiões montanhosas) ou seis (no cerrado), com intervalos de 40 a 45 dias. Esse procedimento requer cuidado redobrado, especialmente entre os exportadores de café, pois as certificadoras são rigorosas no controle de resíduos químicos no grão.Mercado, hoje, favorecido pelo uso de biossoluções na agricultura. “O café, assim como outras grandes culturas, contam com tecnologias inovadoras utilizadas no mundo inteiro. Um bom exemplo é o VORAX, o primeiro e único biofertilizante registrado no Brasil até o momento”, informa o agrônomo e representante da Rovensa Next Brasil.Além de melhorar o metabolismo, o crescimento e a resistência da planta, o produto obtido da fermentação biológica do melaço de cana, rico em aminoácidos, pode aumentar a produtividade em três ou quatro sacas por hectare, de acordo com diversas pesquisas realizadas.Efeitos que podem ser potencializados com a aplicação de Pumma, biofertilizante osmorregulador composto por um mix de micronutrientes enriquecidos com substâncias húmicas e aminoácidos. Deixa o cafeeiro com mais energia, nutrido e mantém a atividade fotossintética mesmo sob condições de estresse.Doenças e pragas“Atualmente, a ferrugem não é uma enfermidade tão grave porque temos produtos eficazes no seu controle e o produtor também aprendeu a lidar com ela. Porém, não se pode descuidar, ela é capaz de perdas severas”, lembra Delane. A doença, com início típico no verão, provoca manchas de cor amarelo-alaranjado na face inferior da folha.O tratamento – preventivo – é feito via solo ou folha, com fungicida aplicado junto com os biofertilizantes e um adjuvante, que também conta com produtos naturais, como o WETCIT GOLD, feito à base do óleo essencial da casca de laranja. Para controle desta enfermidade, a Rovensa Next Brasil lançou Row-Vispo durante o Sincobiol – Simpósio de Controle Biológico. O produto possui uma tecnologia exclusiva chamada Bioevology; ela otimiza a eliminação do agente biológico.Broca-do-caféA broca é bastante prejudicial à produção de café, por atacar o fruto nos vários estágios de maturação. Contra a praga já se encontra registrado no Ministério da Agricultura, o BOVENEXT, também lançado no Siconbiol, um bioinseticida à base do fungo entomopatogênico Beauveria bassiana.Segundo Delane, a cultura de café apresenta bienalidade entre as safras, mas, até o momento, com base no crescimento e estado vegetativo, a cultura encontra-se em perfeito estado para a safra de 2025. É sábio acompanhar os alertas meteorológicos. “Se não acontecer imprevistos, teremos uma boa produção”, conclui.


Comments


wtzp.png

Receba notícias do Portal MÍDIA no WhatsApp!

Para fazer parte do canal CLIQUE AQUI

bottom of page